22 de jun de 2011

O lado B dos Rolling Stones

Mesmo as Pedras que Rolam deixam traços no Limbo

Há muitas músicas feitas pelos Rolling Stones que estão espalhadas por coletâneas e versões americanas/britânicas dos primeiros álbuns, além de compactos esquecidos no tempo.


É um trabalho prazeroso pesquisar sobre elas e agrupá-las numa postagem. Porém, vamos nos ater principalmente à época psicodélica.


Existem 3 coletâneas com músicas descartadas em gravações, cedidas à outros interpretes e figurantes de versões britânicas dos primeiros álbuns que, por serem abrangentes, retratam o período psicodélico dos Rolling Stones.

Período este que vai um pouco antes de Between the Buttons (1967) até um pouco depois de Their Satanic Majesties Request (1967).

Flowers - 1967


A primeira destas coletâneas é Flowers (1967), cuja capa foi feita pelo artista Tom Wilkes, que criou a identidade visual do Monterrey Pop Festival. 

Flowers é uma reciclagem de faixas da versão inglesa do disco Between the Buttons, e contém também algumas faixas nunca lançadas antes como:




Um cover suave de My Girl, clássico do R&B


BackStreet Girl, balada folk psicodélica 
com letra machista (sniff ._.)



Em 1967, lançaram ainda o compacto We Love You / Dandelion. Duas das faixas mais psicodélicas dos Stones que, no entanto, não figuraram em nenhum álbum. O próprio compacto funcionava como um mini-Lp conceitual: o fim da melodia de Dandelion é o início da melodia de We  Love You.



vocais de fundo de John Lennon e Paul McCartney


vocais de fundo de John Lennon e Paul McCartney



Metamorphosis, coletânea lançada em 1975, era para ser (segundo o desejo de Bill Wyman), uma compilação extensa que se tornaria um arquivo sonoro de todo o trabalho alternativo da banda.

Metamorphosis - 1975


Mas, segundo o desejo de produtores, o álbum se tornou uma coletânea enxuta, que prioriza músicas de autoria dos próprios Stones, o que geraria mais lucro do que lançar todo o trabalho alternativo (que contém muitos covers).


As faixas de Metamorphosis são heterogêneas e vão de descartes como I don't Know Why (de Steve Wonder), mixada no dia da morte de Brian Jones; Memo from Turner (trilha sonora do filme Performance); até músicas do começo da banda que eram ofertadas para serem gravadas por outros cantores. Destaques do álbum:


Memo From Turner - Trilha de Performance


Downtown Suzie, composta por Bill Wyman 


I Don't Know Why - Blues, soul, 
feeling psicodélico a lá Jimi Hendrix


Contra-capa


A terceira coletânea importante, que contém lado B dos Rolling Stones, é a coletânea britânica No Stone Unturned, lançada em 1973, repleta de canções inéditas. 

Destaque para Child of the Moon (Maravilhosa!), que foi lado B do compacto Jumpin' Jack Flash, de 1968.

Este disco apresenta ainda outras preciosidades como Who's Driving Your Plane e Sad Day, esta ultima é uma canção incrivelmente injustiçada:


Who's driving your plane? 
o nascimento da rebeldia


Um cover de Poison Ivy (Venenooosa, yêhehehe
Eva Venenoosa, yêyê, seu veneno é Cruel)



A capa deste álbum é uma fotografia sem equivalentes: a capa é a contra-capa e a contra-capa é a capa.


No Stone Unturned - 1973

Contra-Capa


Outro destaque a parte é a faixa Stoned, um blues diferente de todos os outros gravados pela banda. Chapação garantida.



Fonte
CLAYSON. Alan. Rolling Stones: gravações comentadas e discografia completa - São Paulo: Larousse do Brasil, 2009.

E, como sempre, o Youtube está aí para ajudar.

Nenhum comentário:

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
Web Analytics